Os primeiros movimentos da Enercred começaram em 2015, quando José Otávio Bustamante, CEO da startup e engenheiro eletricista, criou o protótipo de um painel solar híbrido. No mesmo ano, o projeto foi aplicado na fase de protótipos de um curso online do MIT - Massachusetts Institute of Technology.

O curso com 28 mil pessoas de 190 países teve centenas de projetos inscritos, dos quais somente 20 foram escolhidos para uma fase de aprendizado presencial. O painel solar híbrido estava na lista. A partir daí, Bustamante decidiu aprofundar-se no segmento e em contato com empresas norte-americanas conheceu o modelo de energia compartilhada. Com isso, uniu sua ideia ao novo conceito e criou a Enercred: um negócio focado na democratização do acesso à energia limpa.

No avanço da empresa, o modelo de negócio foi desenvolvido e apresentado no Desafio Solar para Negócios Sociais promovido pelo Greenpeace, em 2016. Após quase um semestre de programa, a Enercred venceu o desafio. Paralelamente, a startup recebeu investimento para o projeto piloto de uma fazenda solar em Minas Gerais.

Meses antes, a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) havia atualizado sua resolução normativa 687, permitido a geração compartilhada de energia. Desde então, a Enercred evolui sua atuação com o serviço pioneiro de créditos de energia limpa e amplia sua oferta com a expansão de suas micro e mini usinas de energia renovável.

Quem é a Enercred

Fundada em 2017, a Enercred é pioneira no modelo de assinatura de energia limpa para consumidores residenciais. Atuando no modelo digital, a empresa oferece economia e democratiza o acesso às energias renováveis.

Apoiada nas Resoluções 482/2012 e 687/2015 da ANEEL, a Enercred inova a forma de consumir energia limpa. Pessoas físicas e jurídicas podem reduzir a conta de luz com a praticidade de um serviço digital e a facilidade da geração compartilhada.

Explicando, geração compartilhada é uma das modalidades do Sistema de Compensação de Energia Elétrica, que define que consumidores unidos em uma cooperativa podem dividir créditos de energia gerados por uma usina de micro ou minigeração remota.

A Enercred acredita que uma sociedade mais sustentável é responsabilidade de todos. Por isso, a empresa assume seu papel transformador ao acelerar a expansão das energias limpas e fomentar às soluções que preservam o meio ambiente.

Os primeiros movimentos da Enercred começaram em 2015, quando José Otávio Bustamante, CEO da startup e engenheiro eletricista, criou o protótipo de um painel solar híbrido. No mesmo ano, o projeto foi aplicado na fase de protótipos de um curso online do MIT - Massachusetts Institute of Technology.

O curso com 28 mil pessoas de 190 países teve centenas de projetos inscritos, dos quais somente 20 foram escolhidos para uma fase de aprendizado presencial. O painel solar híbrido estava na lista. A partir daí, Bustamante decidiu aprofundar-se no segmento e em contato com empresas norte-americanas conheceu o modelo de energia compartilhada. Com isso, uniu sua ideia ao novo conceito e criou a Enercred: um negócio focado na democratização do acesso à energia limpa.

No avanço da empresa, o modelo de negócio foi desenvolvido e apresentado no Desafio Solar para Negócios Sociais promovido pelo Greenpeace, em 2016. Após quase um semestre de programa, a Enercred venceu o desafio. Paralelamente, a startup recebeu investimento para o projeto piloto de uma fazenda solar em Minas Gerais.

Meses antes, a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) havia atualizado sua resolução normativa 687, permitido a geração compartilhada de energia. Desde então, a Enercred evolui sua atuação com o serviço pioneiro de créditos de energia limpa e amplia sua oferta com a expansão de suas micro e mini usinas de energia renovável.

História da Enercred

Programas e prêmios